96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
1 mês atrás - 10/05/2021

Pescadores do rio Teles Pires em Sinop relatam aparecimento de peixe da espécie abotoado

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Há alguns meses muitos pescadores que percorrem o rio Teles Pires próximo a Usina Hidrelétrica de Sinop tem percebido o aparecimento de peixes da espécie abotoado que antes não era encontrado nessa região. A aparência é de um bicho pré-histórico com uma forte carapaça protetora na cabeça, tem ainda dois ferrões laterais e um dorsal. O guia de pesca, Gustavo Wolf, conhecedor da região, acredita que essa espécie acabou subindo o rio com as transposições de outras usinas hidrelétricas na região. Chegando aqui encontrou as condições ideias para viver e se reproduzir.


 


O abotoado é um peixe que precisa de pouco oxigênio para viver e come praticamente de tudo como frutas, larvas, mosquitos e moluscos. O biólogo especialista em ictiofauna William Ohara, afirmou que sem um estudo sobre esse assunto não é possível afirmar com clareza o que tem acontecido na região. Ele aponta duas hipóteses que podem estar acontecendo no Rio Teles Pires. Muitos pescadores afirmam que esses peixes foram soltos pela Usina Hidrelétrica para comer conchas que ficam na parede e turbinas das instalações. Especialistas não acreditam nessa hipótese e afirmam que não passam de boatos.


 


Em nota a Sinop Energia disse que não realizou repovoamento de peixes no Rio Teles Pires desde o início de sua operação, uma vez que a prática não é recomendada pela SEMA/MT e consultorias especializadas. Todas as ações da Usina Hidrelétrica Sinop relacionadas ao meio ambiente são monitoradas e fiscalizadas pelos órgãos competentes. Ações de repovoamento de rios devem ser avaliadas e autorizadas por órgãos ambientais competentes, pois podem ocasionar impactos como empobrecimento genético das populações, veiculação de doenças (vírus, bactérias, parasitas) e alterações na estrutura da comunidade íctica, além de existir o risco de introdução de espécies exóticas e invasoras da bacia.


 


Saiba mais:


 


FONTE: Renan Schuster