13 cidades de MT têm nível muito alto de contaminados por coronavírus, aponta governo
96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
3 semanas atrás - 18/06/2020

13 cidades de MT têm nível muito alto de contaminados por coronavírus, aponta governo

Cuiabá é uma das cidades com alto risco de contaminados por Covid-19 — Foto: Mayke Toscano/Secom-MT
Cuiabá é uma das cidades com alto risco de contaminados por Covid-19 — Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Treze cidades de Mato Grosso estão com nível muito alto de pessoas contaminadas por coronavírus (Covid-19). O levantamento conta no boletim de Secretaria Estadual de Saúde (SES) dessa quarta-feira (17).



O levantamento aplica o sistema de classificação de grau de risco de Covid-19 para cada município. O método, criado pelo governo de Mato Grosso, foi divulgado na semana passada.


Constam na lista de municípios com nível muito alto de risco:
 
 


Alta Floresta
Cáceres
Cuiabá
Nossa Senhora do Livramento
Nova Mutum
Pontes e Lacerda
Porto Esperidião
Primavera do Leste
Rondonópolis
Sinop
Sorriso
Tangará da Serra
Várzea Grande
 
Por meio da classificação, será possível avaliar a situação de cada cidade e recomendar as medidas mais adequadas.



Seguindo o critério do sistema de risco, o governo orienta que esses municípios adotem – além das medidas já divulgadas como uso de máscara e evitar aglomeração – toque de recolher nas cidades, controle de entrada e saída de pessoas e restrição de funcionamento de estabelecimentos.



A SES registrou, até esta quarta-feira (17), 272 mortes por Covid-19 no estado e 7.361 casos confirmados da doença.



Cuiabá e Várzea Grande, que aparecem na lista com nível alto de contaminados, também lideram o ranking de mortes com 71 e 57 casos, respectivamente.


Cuiabá contabiliza 2 mil moradores infectados, enquanto Várzea Grande registra 628 casos.


Mato Grosso tinha uma situação relativamente favorável em relação a outros estados em meio à pandemia do novo coronavírus. Recentemente começou a retomada das atividades econômicas, no entanto, em um mês, os casos e mortes pela doença se multiplicaram 10 vezes.

FONTE: G1 MT