96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
1 mês atrás - 06/07/2020

Presidente da CBF garante início das Séries A, B e C para o início de agosto

Foto: Lucas Figueiredo/CBF
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O início da Série A do Brasileiro em 9 de agosto é algo definido. É o que diz o presidente da CBF, Rogério Caboclo, em entrevista ao jornal O Globo. Em termos de calendário, as Séries B e C devem começar um dia antes (8), enquanto a Copa do Brasil retorna em 26 de agosto.


"Na Série A, houve um voto dissidente sobre o mando, mas nenhuma dúvida se a competição vai começar ou não dia 9 de agosto. Brasileirão é algo definido e determinado. A Série B inicia no dia 8, na véspera. Definimos com a Série C que ela recomeçará na mesma data da B. A Copa do Brasil volta em 26 de agosto."
+ À la Champions: CBF acata pedido, e reta final da Copa do Nordeste será em sede única


 


Isso, mesmo que as equipes precisem jogar fora de suas praças, caso os respectivos municípios não estejam em condições sanitárias adequadas. O objetivo da entidade, que reconhece a impossibilidade de espremer as datas necessárias ao longo deste ano, é conseguir ajustar todo o calendário do futebol até 2022.


- Vai invadir janeiro, fevereiro, pode chegar a meados do mês. Mas temos algumas premissas que vão além. Muita gente não leva em consideração. Nosso horizonte é a Copa do Mundo de 2022, marcada para começar em novembro. Obriga o nosso calendário a terminar pelo menos um mês antes, em outubro de 2022. Temos que encerrar 2020 na segunda quinzena de fevereiro, iniciar os estaduais na última semana do mesmo mês, o Brasileiro no final de maio de 2021.


Com isso, a ideia da entidade é encerrar a temporada de 2021 na primeira semana de dezembro, com férias e pré-temporada seguinte obedecendo o ritmo usual. Para cumprir com a nova programação, de acordo com o mandatário da CBF, até mesmo as pausas do Brasileirão em data Fifa serão suspensas.


"Infelizmente, é impossível. Lamento profundamente, mas nem considero como uma questão não cumprida. Diante do que aconteceu, essa questão não é nem cogitável mais. Se fossemos, preservar a seleção, não entregaríamos as competições. Todos vão compreender que é impossível."

FONTE: Globoesporte