96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
2 semanas atrás - 03/05/2022

Síndrome do pânico de Wanessa ficou evidente em documentário

FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação

O fim do casamento Wanessa muito empresário Marcus Buaiz, que foi anunciado na segunda na feira (2), têm a questão da última saúde da cantora, que há 6 anos de síndrome do pânico, mas não é a questão da última saúde da cantora . A luta contra esta doença da filha de Zezé e Zilu-se tornou pública após o documentário É Amor da Netflix, que mostrou dia a dia da família Camargo.


Na série em questão, Wanessa aparece por diversas vezes passando por surtos da síndrome do pânico, onde afirma que tinha medo de morrer. Em uma dessas roupas, ela é vista desolada no banheiro sendo amparada por Zezé, o seu pai: “ Eu vou ficar aqui 24 horas por dia com você. Olha aqui o meu coração batendo por você. Você tem que morar comigo ”.


Wanessa explica que foi muito difícil entender pelo que estava passando e que externa tudo isso para a família foi muito difícil. Quando isso começou [a síndrome do pânico], a minha mãe achou que era frescura, meu pai achou que era frescura e os meus amigos também. Eu não desejo isso nem para o meu inimigo. Parece que você está ficando louco e viver essa loucura é assustador porque você fica com medo de perder você , disse a cantora em um dos trechos de O Amor.


Segundo fontes da coluna, Wanessa possui crises de choro durante todas as noites, e há 3 anos não vê a mãe, Zilu Godoi. Vivendo uma vida reclusa e sem auxílio médico, ela já passou por internações em um curto de tempo.


Na última semana, a cantora precisou ser admitida no Hospital Albert Einstein, em Alphaville, em São Paulo, com um novo episódio de crise de pânico. Apesar dos incentivos, a filha de Zezé de Camargo recusa procurar tratamento médico para auxiliá-la na luta contra a doença.


Os dois são pais de José Marcus, de 10 anos, e João Francisco, de 7. No comunicado repercutido, um trecho reforça que mesmo não sendo mais um casal, Buaiz e ela seguem como uma família.

FONTE: Leo Dias