96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
3 semanas atrás - 27/09/2021

Mesmo com clima seco, vigilância alerta para cuidados com a dengue em Sinop

FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação


Não precisa estar no período chuvoso, para redobrar os cuidados sobre a dengue. Afina, mesmo com o clima seco, os mosquitos se fazem presentes e proliferam da mesma forma.


Em Sinop, de acordo com a Centro de Controle de Endemias, até o mês de julho mais de 2.175 notificações de dengues foram registradas, onde 661 deram positivo. A quantidade é preocupante, mesmo que reduzida se comparada com os números de 2020. Somente no ano passado, a vigilância notificou 8.715 casos de dengue, sendo que 6.041 foram confirmados com a doença, conforme explica o coordenador da vigilância ambiental, Gerson Danze.


A pessoa chega com sintoma na unidade, o médico pede o exame, mesmo se a pessoa está com covid, automaticamente tem que fazer notificação, como os sintomas são muito similares, uma análise clinica as vezes não tem certeza, então ele acaba pedindo o exame de dengue. Dessas duas mil e poucas notificações, só 661 se confirmaram neste ano como positivo”, explicou.


Agora, próximo ao período de chuvoso os cuidados devem ser ainda maiores, já que o coordenador, afirma que o ovo do mosquito da dengue é muito resistente podendo durar até um ano sem contato com a água.


O clima tropica, é muito propício para o mosquito. Um ano depois vindo a água, vai eclodir e esse mosquito vai acabar nascendo. Nesse período agora, o número de focos é bem pequeno, a cada mil casos, a gente encontra cinco residências ainda com foco, apesar da seca. Mas o grande problema hoje são as bocas de lobos, muita gente faz o descarte irregular, de água na boca de lobo e na sarjeta, que é a água de lavanderia, muitas pessoas até canalizam a água direto na boca de lobo que não é permitido. Inclusive a multa é muito pesada, é mil UR”, contou.


Gerson ainda reforça que com o isolamento domiciliar da pandemia, a expectativa era que as pessoas ficassem mais conscientes, mas a realidade foi bem diferente.


60%, 70% dos focos que a gente encontra são em pequenos recipientes, copinhos, lona, um pneu, uma coisa desse tipo no fundo do quintal e cerca de 80% é dentro do quintal. Mas nada disso vale se cada um de nós não tiver consciência, que temos que deixar o quintal limpo. Esperávamos que com as pessoas mais em casa, tivessem uma conscientização maior, mas não vimos isso não”, finalizou.


Em casos de dúvidas ou denúncias basta entrar em contato com o Centro de Controle de Endemias no 9 9994-8559. O atendimento é de segunda à sexta-feira, durante horário comercial.

FONTE: Lívia Kriukas / Redação Meridional Notícias