96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
1 semana atrás - 24/11/2021

Distribuição das chuvas favorece semeadura da safra em Mato Grosso

FOTO: Assessoria
FOTO: Assessoria


A Embrapa Sinop, divulgou o primeiro Boletim Agrometeorológico da safra 2021/2022 em Mato Grosso. De acordo com a publicação, a distribuição das chuvas no estado tem sido favorável para a semeadura da soja em todas as regiões.


Os mapas de precipitação acumulada e de anomalia de precipitação mostram que em setembro, quando termina o vazio sanitário da soja e começa a janela de semeadura, as chuvas foram bem distribuídas em quase todo estado. Somente na região sudeste o acumulado de chuva ficou abaixo do esperado.


Em outubro, quando começa a janela de semeadura com o menor risco estabelecido pelo Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), as chuvas foram generalizadas e bem distribuídas em todo o estado, sendo que a região médio-norte teve uma concentração um pouco maior. O mesmo cenário persistiu nos 17 primeiros dias de novembro, sendo que, além da região médio-norte, a região nordeste também teve uma grande concentração de chuvas.


De acordo com os autores do Boletim, a maior concentração de chuvas pode ter causado alguns transtornos pontuais, mas, de maneira geral, não prejudicou o estabelecimento da safra, que neste ano está mais adiantada em relação ao ano anterior. Conforme o 2º Levantamento da Safra de Grãos 2021/2022 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), até o fim de outubro 84,3% das lavouras de soja já estavam semeadas. No mesmo período de 2020 o percentual era de 44,7%.


O documento também traz os dados pluviométricos da estação meteorológica automática da Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop. Conforme os registros, em setembro houve 59,2 mm de precipitação acumulada. Dos últimos cinco anos, somente em 2018 o volume havia sido maior.


Em outubro foram 115,1 mm, menor volume para este mês nos últimos cinco anos. Já nos dez primeiros dias de novembro foram registrados 365,2 mm, maior volume da série histórica, com o dobro do volume registrado em 2020. No somatório de agosto a outubro, 2021 tem a maior precipitação acumulada para o período nos últimos cinco anos, com 539,7 mm.

FONTE: Assessoria