96,5 MUTUM
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
2 semanas atrás - 08/09/2021

Postos de combustíveis de Sinop têm desabastecimento com impacto das manifestações na BR-163

FOTO: Renan Schuster / Redação Meridional Notícias
FOTO: Renan Schuster / Redação Meridional Notícias

As manifestações dos caminhoneiros mal começaram e já estão repercutindo nos postos de combustíveis, em Sinop. Tanto os da região central, como os mais afastados. Boa parte, já sofrem o impacto com a falta de gasolina e principalmente do etanol.


Em um posto no centro por exemplo, ainda tem os dois tipos de combustível, porém, a gasolina que está custando R$ 5,99 está prestes a acabar. Já o etanol no valor de R$ 4,39 ainda tem em quantidade considerável. As margens da BR, a maioria dos postos estão apenas com o diesel. Já em uma rede de postos de combustível, ainda tem disponível, mas não souberam afirmar por quanto tempo, devido ao bloqueio. 


O bloqueio no km 821, da BR-163, nas proximidades do bairro Alto da Glória, por enquanto está impedindo a passagem apenas de cargas que não estragam. Outras cidades do Nortão, também estão com bloqueios simultâneos da mesma forma, como Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum. Já em Matupá, os bloqueios estão sendo intercalados a cada uma hora. 



Conforme já noticiamos, o ato democrático teve origem ontem em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, durante as celebrações do dia 7 de setembro, quando se comemora a Independência do Brasil. A principal reivindicação dos populares e principalmente dos trabalhadores das estradas, é contra das decisões por parte de alguns ministros do STF, além de serem a favor do retorno ao voto impresso.


Vale destacar que com a alta demanda pelo combustível desde a última segunda-feira (6), vários postos aumentaram ainda mais os valores da gasolina e do etanol. Em Sinop, a manifestação teve continuidade na manhã desta quarta-feira (8), mas de forma pacífica, porém, durante a tarde, uma carreta foi colocada de forma atravessada na rodovia, para que ninguém fure o bloqueio.


 

FONTE: Lívia Kriukas / Redação Meridional Notícias